Juciane Gasques


Em novembro de 2012 foi quando tudo começou, na verdade já estava sentindo dores na garganta e dificuldades da engolir os alimentos á algum tempo. Em novembro de 2012 viajei para Campinas, interior de são Paulo, e então a doença avançou rapidamente. A mudança de clima pelo qual eu não estava habitada fez com que eu agravasse mais o meu problema de garganta. Fui a alguns médicos da região e descobri que era problema na tireóide, passaram exames e medicamentos anticoncepcionais para tratar da tireóide. Tomei alguns mais de nada adiantaram, vomitava constantemente e algumas vezes chegava a vomitar sangue.

Em dezembro, no natal, já não estava mais agüentando engolir nada que não fosse pastoso, no ano novo fiz uma oração ao meu Deus rei dos reis e ele com esplendor e Gloria me respondeu. Fomos ao estacionamento pegar o carro e lá eu vomitei e cheguei a passar mal, peguei minha garrafinha de água cujo eu andava, tomei isso, sempre me ajudava a se sentir melhor, chegamos em casa eu não consegui dormir com a falta de ar e um enjôo sem tamanho, então bebi água para ver se passava o mal estar já que isso sempre funcionava, e quando bebi a água de imediato saiu pela minha narina. Logo pela manha fomos á unidade de saúde básica que se encontrava próximo de casa e lá me deram um papel para ir ao HOSPITAL LUIZ ÂNTONIO DA LIGA. Então meu primo levou a mim e minha tia lá e ao chegar lá ficamos na recepção á observar as pessoas que lá se encontravam, eu já estava começando a ficar inconsciente, nada fazia muito sentido, ali bebi um pouco d’água e mais uma vez ela saiu pela narina. Minha tia logo se apegou á Deus por ela ser uma mulher ujo a fé é tamanha e foi comigo em uma sala para ver se alguém poderia fazer algo que me ajudasse, então uma mulher do hospital que cuida das papeladas para que os pacientes possam se internar nos chamou na sala dela e ao ver meu estado me levou á sala da medica para uma endoscópia e de imediato a medica me enviou pra sala de cirurgia para fazer uma traqueostomia de emergência, pois se não fizesse de imediato eu morreria asfixiada.

Levarão-me para sala de cirurgia, algumas horas depois eu acordei em uma sala cheia de pessoas nas macas dormindo, então um enfermeiro e me levou para o quarto de recuperação cujo passei oito dias internada. Foram os dias mais tensos que eu passei, mas eu sempre estava sorrindo, me maquiando e tentando falar porque desde que tinha feito a traqueostomia eu não pronunciava som algum, então retornei para casa e dai tudo mudou em minha vida, alimentos, cuidados etc..

Chegou o dia de começar o tratamento da quimioterapia, cortei o cabelo bem curto, chegando ao hospital eu respirei fundo e entreguei nas mãos de Deus a minha vida e meu tratamento, passei cinco dias internada no primeiro dia meu cabelo já começou a cair e eu ficava passando a mão e tirando tudo que dava para tirar com a mão,chegando em casa fui no salão que minha amiga trabalha e raspei a cabeça. Minha mãe e alguns amigos não agüentavam me ver por eu estar careca e traqueostomizada e acharem que eu me sentia mal pelo meu estado físico, mas Deus sempre deu-me forças para ficar de cabeça erguida, passei quatro meses fazendo quimioterapia e a cada internação o nódulo da minha garganta diminuía, mas mesmo assim a medica queria colocar uma sonda em minha barriga para que eu me alimentasse por ela e eu disse que não ia fazer isso porque não iria precisar ela pediu 24 horas para me levar e colocar a sonda em minha barriga, eu orei e fiz um voto com Deus e no dia seguinte ela disse que ia não precisar porque meu tratamento tava indo de vento em poupa.

Em minhas internações fiz muitos amigos médicos e pacientes, em alguns dias eu começaria a radioterapia, e foi então que eu fiquei mal realmente, pois com a radioterapia eu perdi meu paladar. Fui em uma nova consulta de rotina e minha medica suspendeu minha quimioterapia pois queria que eu seguisse só com a radioterapia, fiquei tão feliz que não estava acreditando que era verdade, ao chegar em casa fui agradecer a Deus por esta ao meu lado por me amar tanto e fazer com que eu tivesse respostas em meu tratamento.

Fiz 38 seções de radioterapia durante todo tratamento, eu orava diariamente e agradecia a Deus por está me recuperando e também por ter ficado doente pois o câncer me fez se tornar uma pessoa mais fiel ao meu Deus e fez com que as pessoas ao meu redor que não tinham fé e não acreditavam no Senhor acreditassem, pois eu era um milagre na terra. Hoje faço acompanhamento todo mês, não estou 100% mas minha fé e meu amor por Deus vai fazer com que eu siga assim, fiel, feliz, crente em Cristo e alguém com o alto astral mesmo com todos os problemas, alguém que nunca se deixou abater e sempre creio que minha fé e o amor de Deus por mim me libertaria das garras da morte.

Faça você também

Doe aqui qualquer valor, na forma de pagamento que preferir, e ajude a Liga Contra o Câncer a continuar realizando um trabalho fundamental na vida de milhares de portadores de câncer.